segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

#Resenhadacolorida - Elantris - Brandon Sanderson

Nota: 

Olá pessoal, finalmente resolvi voltar. Fiquei praticamente 2014 inteiro sem postar, foi um ano bem cheio e acabei deixando o blog de lado. Massss, sinto tanta falta dele que vou tentar novamente, mesmo não conseguindo postar com uma frequência boa, ao menos vou postar.
Li muitos livros bons nesse ano que está acabando e pretendo ler mais em 2015. O último livro do ano se chama Elantris, não é um livro muito conhecido, infelizmente, mas que eu espero que se torne e quem sabe futuramente vire um filme, porque é uma história digna das telinhas

SINOPSE: Elantris era a capital de Arelon, colossal, linda, literalmente radiante e repleta de seres benevolentes que usavam suas poderosas habilidades mágicas em beneficio de todos.
Há dez anos, no entanto, a capital de Arelon caiu em desgraça, uma maldição misteriosa devastou Elantris e os corpos de seus habitantes, que agora vivem a decrepitude em intensa dor, os elantrinos, tornaram-se criaturas sem poder, enrugadas e parecidas com leprosos. E a própria Elantris ficou sombria e imunda.


O livro intercala capítulos sobre três personagens, Raoden, Sarene e Hrathen, vou explicar logo a seguir um pouco sobre cada um e seu papel na história:

Raoden, príncipe de Arelon acorda certo dia, e descobre que foi vitima da Reod durante o sono, uma maldição que vem caindo sobre os habitantes de Arelon desde a queda de Elantris, há dez anos. Imediatamente, seu pai mandou joga-lo em Elantris, o cemitério dos amaldiçoados. Uma cidade que antes era linda, agora está em ruínas e toda coberta de lodo. Quem era atingido pelo Reod virava um morto-vivo, pois o coração não batia mais, a pele apodrecia e qualquer ferida feito no corpo não se curava, e a dor era a pior parte, tinham pessoas que estavam tão feridas que não falavam, se moviam ou pensavam, só existia a dor. E quem ainda não fora atingido pela dor, sentia fome, muita fome, e a rivalidade era grande porque não existia comida em Elantris, a unica comida eram as oferendas vindas com os amaldiçoados que entravam na cidade. Mas Raoden não aceitava essas condições, ele queria muda-las. Era um eterno otimista.


Sarene, princesa de Teod, iria se casar com Raoden, por motivos políticos, que seria fortalecer os dois reinos, Arelon e Teod contra o domínio dos religiosos Fjordênicos. Foi uma grande surpresa para ela chegar em Arelon e descobrir que seu futuro marido estava morto e que, de acordo com o contrato nupcial se alguma coisa acontecesse com um dos dois, o casamento seria automaticamente valido, ou seja, ela era uma viúva de uma marido que nem conhecera pessoalmente. Se tornara princesa de Arelon. Sarene era uma mulher independente, inteligente e acima de tudo curiosa, muito diferente das outras mulheres do reino, não aceita meias respostas e não admite coisas erradas, está sempre especulando, conspirando e modificando tudo que não concorda.

Hraten é um sacerdote derethi fjordênico, que vem até Arelon com a missão de converter o país para a religião do Deus Jaddeth. Os Derethi acreditam que somente o Deus deles é o correto, e que qualquer outra religião é considerada pagã. Os únicos países que ainda não seguem o Shu-derethi são Teod e Arelon. Hraten espera ter exito, porque senão o país será tomado a força, e todos serão obrigados a se converter. Ou isso ou a morte.


Elantris é recheado de mistérios, conspirações, romance, humor e conflitos políticos e religiosos, ou seja, um prato cheio. Não consegui parar de ler um minuto, é tanta coisa pra descobrir o desfecho, que a curiosidade é maior que o sono, a fome e o cansaço. Estava um pouco cansada dos distópicos meu gênero preferido, e resolvi arriscar esse livro de fantasia, realmente ameiiiii, ótimo livro para finalizar meu ano.
Eai, alguém já leu ou vai ler? Bjusss ;**